Corujinha 01
Destaques

      Corujinha 02
Ajuda Humanitária.


      Corujinha 03
Animais.


      Corujinha 04
Artesanato de lixo reciclável.


      Corujinha 05
Casa.


      Corujinha 06
Ciência.


      Corujinha 07
Como Surgiu.


      Corujinha 08
Curiosidades.


      Corujinha 09
Drogas.


      Corujinha 10
Ecologia.


      Corujinha 11
Esportes.


      Corujinha 12
Filmes.


      Corujinha 13
Instrumentos Musicais.



      Corujinha 15
Mamães e Bebês.


      Corujinha 16
Maquiagem.


      Corujinha 17
Mitos e Verdades.


      Corujinha 18
Notícia no Mundo.


      Corujinha 19
Novo acordo Ortográfico.


      Corujinha 20
Paisagismo e Jardinagem.


      Corujinha 21
Pescaria e piscicultura.


      Corujinha 22
Politica.


      Corujinha 23
Primeiros Socorros.


      Corujinha 24
Receitas.


      Corujinha 25
Salve o Planeta e a Biodiversidade!


      Corujinha 26
Saúde.


      Corujinha 27
Sexualidade.


      Corujinha 28
Situações Diárias.


      Corujinha 29
Sociedade.


      Corujinha 30
Tecnologia.


      Corujinha 31
Turismo, Lugares, Viagens.


      Corujinha 32
Universo.


      Corujinha 33
Vida e diversidades.


Vulvite ou Vulvovaginite.

Orçamentos de Laguinhos www.laguinhos.com.br
Monte em instantes o orçamento para seu laguinho.


Filtros Biológicos www.fontesechafarizes.com.br
Veja on-line que custa muito pouco acabar com as algas.


Anti-algas e Anti-Cloro www.filtrouv.com.br
O fim das algas em seu lago.

    

                                                                


Nessas situações, os tecidos inflamam  e produz  uma secreção vaginal. As causas compreendem infecções, substâncias ou objectos irritantes, tumores ou outro tecido anormal, radioterapia, fármacos e alterações hormonais. A higiêne pessoal insuficiente pode favorecer o crescimento de bactérias e de fungos, bem como causar irritação. Além disso, as fezes podem passar do intestino para a vagina por um trajecto anormal (fístula) e provocar uma vaginite. Durante o tempo em que a mulher é fértil, as alterações hormonais provocam uma secreção anormal aquosa, mucosa ou  branca-leitosa, que varia em quantidade e características conforme as diferentes fases do ciclo menstrual. Depois da menopausa, o revestimento interno da vagina e dos tecidos da vulva perdem espessura e o fluxo normal diminui devido à falta de estrogénios. Em consequência, a vagina e a vulva infectam  e lesionam com maior facilidade.

Sintomas

O sintoma mais frequente da vaginite é a secreção vaginal anormal. Uma secreção anormal é a que se produz em grandes quantidades, exala um odor forte ou é acompanhada de comichões, queixas ou dor vaginal. Muitas vezes a secreção anormal é mais espessa que a normal e a cor é variável. Por exemplo, pode ter a consistência do requeijão ou pode ser amarelada, esverdeada ou manchada de sangue.

Uma infecção bacteriana da vagina tem tendência para produzir uma secreção turva branca, cinzenta ou amarelada com odor repugnante ou semelhante ao do peixe. O cheiro torna-se mais intenso depois do acto sexual ou da lavagem com sabão, pois ambos diminuem a acidez vaginal e, como consequência, favorece-se o desenvolvimento bacteriano. A vulva pode estar irritada ou com uma ligeira comichão.

Uma infecção provocada por Candida (um fungo) provoca uma comichão entre moderada e intensa e ardor na vulva e na vagina. A pele torna-se avermelhada e é áspera ao tacto. Da vagina sai uma secreção espessa, semelhante ao queijo, que tem tendência para aderir às suas paredes. Os sintomas pioram durante a semana anterior ao ciclo menstrual. Esta infecção tem tendência a reaparecer nas mulheres que sofrem de diabetes mal controlada e nas que estão a tomar antibióticos.

Uma infecção por Trichomonas vaginalis, um protozoário, provoca uma secreção branca, verde-acinzentada ou amarela que pode ser espumosa.A secreção aparece pouco depois da menstruação e pode ter um odor desagradável. É acompanhada de uma comichão muito intensa.

Uma secreção aquosa, sobretudo se contiver sangue, pode ser causada por um cancro da vagina, do colo uterino ou do revestimento interno do útero (endométrio). Os pólipos cervicais (colo uterino) podem provocar hemorragia vaginal depois do coito. Se a comichão ou os incômodos vulvares persistirem durante algum tempo, as possibilidades podem ser uma infecção por  papilomavírus  humano (um cancro muito localizado que não invadiu outras áreas e que, em geral, o cirurgião pode extirpar  facilmente).

Uma ferida dolorosa na vulva pode ser causada por uma infecção herpética ou por um abcesso, enquanto uma úlcera que não provoca dor pode dever-se a um cancro ou à sífilis. Os piolhos da púbis provocam comichão na zona da vulva (pediculose da púbis).

Diagnóstico

As características da secreção podem sugerir a causa, mas é necessária informação adicional da paciente para fazer o diagnóstico (como, por exemplo, em que momento do ciclo menstrual tem lugar a secreção, se é esporádica ou contínua, como respondeu a tratamentos anteriores e se sofre de comichão, ardor, dor na vulva ou se tem uma ferida vaginal). O médico também pergunta acerca das medidas anticoncepcionais, se há dor depois do acto sexual, se manifestou infecções vaginais anteriormente ou doenças de transmissão sexual e se usa detergentes para a roupa que possam provocar irritação. Certas perguntas podem inquirir se o parceiro sexual apresenta sintomas ou algum membro da família sofre de comichões.

Quando uma mulher tem uma inflamação da vulva durante muito tempo (vulvite crónica) que não responde ao tratamento, habitualmente o médico recolhe uma amostra de tecido para a examinar ao microscópio (biopsia), com o fim de detectar possíveis células cancerosas.

Tratamento

No caso de uma secreção normal, as lavagens frequentes com água podem reduzir a quantidade da mesma. No entanto, uma secreção provocada por uma vaginite requer um tratamento específico, de acordo com a sua causa. Se se tratar de uma infecção, o tratamento consiste na administração de um antibiótico, de um antifúngico ou de um antivírico, conforme o tipo de agente patogénico. Até que o tratamento faça efeito, pode proceder-se também à lavagem da zona com uma mistura de vinagre e água durante pouco tempo para controlar os sintomas. No entanto, a lavagem frequente com ou sem medicamentos não é muito conveniente, pois aumenta o risco de contrair inflamação pélvica. Se os lábios (partes carnosas que rodeiam os orifícios da vagina e da uretra) estiverem colados devido a infecções anteriores, a aplicação de estrogénios em forma de creme vaginal, durante 7 a 10 dias, costuma facilitar a sua abertura.

Além de um antibiótico, o tratamento de uma infecção bacteriana pode incluir também geleia de ácido propiónico para que aumente a acidez das secreções vaginais (o que inibe o crescimento das bactérias). Para as infecções de transmissão sexual, ambos os membros do casal são tratados ao mesmo tempo para evitar uma nova infecção.

O adelgaçamento do revestimento interno vaginal depois da menopausa (vaginite atrófica) trata-se com uma terapia substitutiva de estrogénios. Estes podem ser administrados por via oral, mediante um emplastro cutâneo ou mediante a aplicação tópica, directamente na vulva e na vagina.

Os fármacos utilizados para tratar a vulvite dependem da sua causa e são os mesmos que se usam para tratar a vaginite. Outras medidas complementares incluem o uso de roupas largas e absorventes que permitam a circulação do ar, como a roupa interior de algodão, bem como manter a vulva limpa. Dever-se usar sabão de glicerina, porque muitos dos outros sabões são irritantes. Por vezes, colocar gelo sobre a vulva, um banho de imersão frio ou aplicar compressas frias reduz a dor e a comichão. Os cremes e os unguentos com corticosteróides, como os que contêm hidrocortisona, e os anti-histamínicos por via oral também reduzem a comichão quando esta não é originada por uma infecção. O aciclovir aplicado como creme ou por via oral atenua os sintomas e diminui a duração de uma infecção herpética. Os fármacos analgésicos tomados por via oral podem aliviar a dor.

Se a vulvite crónica se dever a uma higiene pessoal deficiente, o primeiro passo consiste em dar à mulher as instruções apropriadas. Uma infecção bacteriana trata-se com antibióticos. Em certas doenças cutâneas, pelo contrário, como a psoríase, são utilizados cremes que contenham corticosteróides. Deverão deixar de se utilizar todas aquelas substâncias que provoquem uma irritação persistente, como os cremes, os pós de talco e algumas marcas de preservativos.


Mais uma dica da Equipe Manja de Tudo para você.

Por: Ana Paula.

 

Orçamentos de Laguinhos www.laguinhos.com.br
Monte em instantes o orçamento para seu laguinho.


Filtros Biológicos www.fontesechafarizes.com.br
Veja on-line que custa muito pouco acabar com as algas.


Anti-algas e Anti-Cloro www.filtrouv.com.br
O fim das algas em seu lago.


    
   © 2011 Manja de Tudo.     www.manjadetudo.com.br.     Contribua conosco enviando sua dica, pergunta ou sugestão aqui.